Óleos Vegetais

Óleo Vegetal de Calêndula - 60ml (Phytoterápica)

Disponibilidade: Sem estoque

R$24,90

A calêndula pertence a mesma família do girassol, arnica e camomila. É nativa da África Central. No Brasil, adaptou-se melhor nas regiões sul e sudeste. Possui coloração amarelo-alaranjada e perfume característico, e suas folhas são macias e aveludadas. Planta anual, a calêndula pode atingir até 50cm de altura e apresenta caules ramificados em duas hastes.


A palavra calendas vem do latim cálendae e significa o primeiro dia de cada mês. Talvez a calêndula tenha recebido esse nome porque ela floresce no início da maioria dos meses do ano. Das 20 espécies deste gênero, ambas as flores e folhas das calêndulas conhecidas cientificamente por Calendula officinalis e Calendula arvensis são usadas medicinalmente. Seu uso normal é feito com a maceração da calêndula em carreador tipo óleo vegetal. Dentre seus constituintes principais, podemos destacar o óleo essencial (0,1-0,2%), carotenoides como a calendulina, caroteno, licopeno, flavonoides, polissacarídeos, esterois como o sitosterol, estigmasterol, campesterol, isofucosterol, ácido salicílico (0,34mg/kg), ácido málico (7%), mucilagem, taninos, xantofila, e álcoois triterpênicos lupol, arnidiol, faradiol e taraxasterol.


Os álcoois triterpênicos da calêndula demonstraram ter atividade antiinflamatória. Num estudo com 170 pacientes que tinham úlcera duodenal e/ou inflamação gastroduodenal, estes receberam um tratamento com uma combinação herbácea que tinha calêndula e a melhora chegou a ser de 90%.


In vitro, o extrato de calêndula exibiu efeitos uterotônicos moderados para tecidos córneos uterinos. Outro estudo in vitro indicou que os polissacarídeos (ramno-arabino-galactano) podem estimular a fagocitose. Um terceiro estudo in vitro mostrou que os glicosídeos da calêndula inibem a atividade de lipoxigenase, caracterizando-se, portanto, como agentes anti-inflamatórios.


Em virtude do ácido oleanóico, possui ação calmante e refrescante para peles sensíveis, avermelhadas e delicadas. O óleo de calêndula pode ser usado em pele seca, normal e oleosa. Favorece a regeneração do tecido além de exercer atividade anti-inflamatória. Por isso é indicado para problemas epidérmicos (insolação, assaduras, acne, abscesso, fissura nos mamilos, lesões, queimaduras, descamação, pele rachada, picadas de inseto e furúnculos).


Um dos desafios em se obter dados clínicos confiáveis é que a quantidade de princípios ativos muda de acordo com o solo, clima, bem como idade da planta e hora da colheita. Talvez seja essa a razão de haver dados conflitantes. Por exemplo, há estudos demonstrando que os glicosídeos sesquiterpênicos da calêndula inibiram tanto a reprodução do rinovírus quanto do vírus da herpes I. O extrato de calêndula demonstrou atividade anti-HIV, incluindo um efeito dose-resposta contra a atividade trascriptase reversa. Já outro estudo não demonstrou atividade antivirótica contra pólio, gripe ou vírus da herpes.


Numa experiência com 24 adultos que tinham colite, não especificada, estes receberam tratamento teiforme que incluía calêndula. O resultado demonstrou que 96% tiveram uma melhora nos sintomas dentro de duas semanas.


Há vários relatos na literatura indicando a atividade anti-inflamatória da calêndula. É atribuído principalmente aos triterpenóides, como o monoéster faradiol a redução de inflamações. Há relatos também indicando a diminuição de dor e inflamação em pacientes pós-mastectomia e também em crianças com inflamação suporativa do ouvido médio. Não há relatos de testes clínicos controlados.


Um estudo relatou que o extrato de calêndula aumentou a vascularização em culturas de tecido. A calêndula tem demonstrado uma capacidade de ser excelente vulnerário epidérmico. Além disso, pode ser usada em casos de cólicas menstruais, Menstruação irregular, problemas hepáticos, pressão alta, úlcera varicosa e varizes, hemorroidas, inchaços e inflamação ocular.


Nos cabelos o óleo de calêndula serve para dar vitalidade, maciez e brilho. Evita caspa, seborreia e doenças do couro cabeludo. Hidrata e acentua a cor dos cabelos claros, trazendo luminosidade.


Precauções


Evite a ingestão na gravidez. São raríssimos os relatos de casos que apontem qualquer efeito colateral como um transtorno alérgico. Possui efeito sedativo e exerce papel sinérgico aumentando o efeito quando tomado com barbitúricos.

A calêndula pertence a mesma família do girassol, arnica e camomila. É nativa da África Central. No Brasil, adaptou-se melhor nas regiões sul e sudeste. Possui coloração amarelo-alaranjada e perfume característico, e suas folhas são macias e aveludadas. Planta anual, a calêndula pode atingir até 50cm de altura e apresenta caules ramificados em duas hastes.

A palavra calendas vem do latim cálendae e significa o primeiro dia de cada mês. Talvez a calêndula tenha recebido esse nome porque ela floresce no início da maioria dos meses do ano. Das 20 espécies deste gênero, ambas as flores e folhas das calêndulas conhecidas cientificamente por Calendula officinalis e Calendula arvensis são usadas medicinalmente. Seu uso normal é feito com a maceração da calêndula em carreador tipo óleo vegetal. Dentre seus constituintes principais, podemos destacar o óleo essencial (0,1-0,2%), carotenoides como a calendulina, caroteno, licopeno, flavonoides, polissacarídeos, esterois como o sitosterol, estigmasterol, campesterol, isofucosterol, ácido salicílico (0,34mg/kg), ácido málico (7%), mucilagem, taninos, xantofila, e álcoois triterpênicos lupol, arnidiol, faradiol e taraxasterol.

Os álcoois triterpênicos da calêndula demonstraram ter atividade antiinflamatória. Num estudo com 170 pacientes que tinham úlcera duodenal e/ou inflamação gastroduodenal, estes receberam um tratamento com uma combinação herbácea que tinha calêndula e a melhora chegou a ser de 90%.

In vitro, o extrato de calêndula exibiu efeitos uterotônicos moderados para tecidos córneos uterinos. Outro estudo in vitro indicou que os polissacarídeos (ramno-arabino-galactano) podem estimular a fagocitose. Um terceiro estudo in vitro mostrou que os glicosídeos da calêndula inibem a atividade de lipoxigenase, caracterizando-se, portanto, como agentes anti-inflamatórios.

Em virtude do ácido oleanóico, possui ação calmante e refrescante para peles sensíveis, avermelhadas e delicadas. O óleo de calêndula pode ser usado em pele seca, normal e oleosa. Favorece a regeneração do tecido além de exercer atividade anti-inflamatória. Por isso é indicado para problemas epidérmicos (insolação, assaduras, acne, abscesso, fissura nos mamilos, lesões, queimaduras, descamação, pele rachada, picadas de inseto e furúnculos).

Um dos desafios em se obter dados clínicos confiáveis é que a quantidade de princípios ativos muda de acordo com o solo, clima, bem como idade da planta e hora da colheita. Talvez seja essa a razão de haver dados conflitantes. Por exemplo, há estudos demonstrando que os glicosídeos sesquiterpênicos da calêndula inibiram tanto a reprodução do rinovírus quanto do vírus da herpes I. O extrato de calêndula demonstrou atividade anti-HIV, incluindo um efeito dose-resposta contra a atividade trascriptase reversa. Já outro estudo não demonstrou atividade antivirótica contra pólio, gripe ou vírus da herpes.

Numa experiência com 24 adultos que tinham colite, não especificada, estes receberam tratamento teiforme que incluía calêndula. O resultado demonstrou que 96% tiveram uma melhora nos sintomas dentro de duas semanas.

Há vários relatos na literatura indicando a atividade anti-inflamatória da calêndula. É atribuído principalmente aos triterpenóides, como o monoéster faradiol a redução de inflamações. Há relatos também indicando a diminuição de dor e inflamação em pacientes pós-mastectomia e também em crianças com inflamação suporativa do ouvido médio. Não há relatos de testes clínicos controlados.

Um estudo relatou que o extrato de calêndula aumentou a vascularização em culturas de tecido. A calêndula tem demonstrado uma capacidade de ser excelente vulnerário epidérmico. Além disso, pode ser usada em casos de cólicas menstruais, Menstruação irregular, problemas hepáticos, pressão alta, úlcera varicosa e varizes, hemorroidas, inchaços e inflamação ocular.

Nos cabelos o óleo de calêndula serve para dar vitalidade, maciez e brilho. Evita caspa, seborreia e doenças do couro cabeludo. Hidrata e acentua a cor dos cabelos claros, trazendo luminosidade.

Precauções

Evite a ingestão na gravidez. São raríssimos os relatos de casos que apontem qualquer efeito colateral como um transtorno alérgico. Possui efeito sedativo e exerce papel sinérgico aumentando o efeito quando tomado com barbitúricos.

Fabricante Phytoterápica

Queremos saber sua opinião

Importante: em virtude da Greve dos Correios, iniciada dia 10/09/2019 o prazo de entrega dos pedidos em sua maioria, poderão não ser cumpridos. Sentimos muito por isso :-/ Ressaltamos que todo o processo interno (de confirmação do pagamento, separação do pedido ) estão ocorrendo normalmente. A coleta dos pacotes está sendo realizada diariamente por nossa agência dos Correios e, assim que produto for postado, você receberá um e-mail com o código de postagem.

Scroll to Top